Dicas Práticas

Como fazer uso de jardineiras e floreiras no apê?

Floreiras no apartamento

Tem horas que o apartamento perde um pouco a graça. Normal — afinal, ele está aí para o melhor e o pior (quando ainda está exalando aquele aroma de faxina recém-concluída e quando está completamente de pernas para o ar).

Mesmo quando tudo está oquei, a gente sente que falta alguma coisa. Algo que transpire um pouco de frescor e afaste a impressão de que o concreto domina a paisagem. A esse pensamento segue-se uma conclusão óbvia: o que está faltando são plantas. Vasos, flores. Todas essas coisas que às vezes observamos em imagens de sites e perfis de decoração e ficamos com uma vontade danada de reproduzir.

Quando se mora em uma casa com quintal espaçoso ou apartamento com uma área externa razoável, é apenas uma questão de pôr mãos à obra e criar um pequeno jardim para se sentir mais perto da natureza. Trata-se de uma medida que vale a pena tomar, por uma questão de qualidade de vida.

Quando o que temos são metros contados, a questão exige maior criatividade. Porém, com um pouco desse recurso imprescindível e os materiais certos, é perfeitamente possível povoar de verde a vida da gente. A utilização de floreiras e jardineiras na decoração é um exemplo de solução prática e mais do que satisfatória para arejar o ambiente e criar espaços com mais “calor vegetal”.

Quer saber como fazer uso de jardineiras e floreiras no apê? Pegue seu equipamento de jardinagem que já vamos começar.

Definir o espaço

Seu projeto paisagístico começa com a escolha do local onde introduzir seus vasos ou floreiras. Como já dissemos, quanto menor o espaço disponível, mais reduzidas são as opções. Porém, não deixe que essa constatação atrapalhe seus planos.

Outra questão a se ter mente é a condição de seres vivos inerente às plantas. A menos que você decida adotar alguns exemplares artificiais (o que não estaria muito de acordo com a ideia expressa neste post), deve levar em conta o fato de que plantas precisam de cultivo.

Algumas são mais sensíveis ao ambiente que outras, o que influi na escolha do local. Certos tipos pedem manutenção constante, boa oferta de luz natural; outras, vicejam na sombra e, outras mais, mal precisam de água.

A ideia de se fazer um jardim, no entanto, implica dispor de uma variedade de espécies. Algumas trepadeiras, flores coloridas, folhagens — enfim, algo um pouco mais elaborado do que somente ter um vasinho de suculentas ou cactos aqui e ali.

Via de regra, a varanda do apê é o local mais indicado para esse fim, pela oferta de luz natural. A sala, se bem iluminada, também pode abrigar uma ou duas floreiras, assim como a cozinha comporta alguns vasos de temperos. Tudo é questão de se adaptar às configurações do ambiente.

Jardim vertical x jardim horizontal

Consideremos, portanto, a varanda como o lugar ideal para a montagem do jardim.

Se houver espaço de sobra, você tem a possibilidade de partir para o tradicional jardim horizontal, com a perspectiva de instalar floreiras e vasos de bom tamanho e criar um projeto paisagístico bem interessante.

Dá para recorrer a um profissional da área para ajudar a deixar o cantinho das plantas bonito e funcional ou simplesmente fuçar internet afora e descobrir o tanto de informação que há sobre o assunto (aqui, por exemplo, tem um monte de coisas bacanas para se inspirar).

Se, por outro lado, faltar espaço para acomodar as jardineiras — realidade nada incomum nos dias atuais —, a solução está em usar as paredes e compor um jardim vertical.

Trata-se de um recurso relativamente simples, pois existem diversos materiais que podem ser utilizados na fixação das floreiras, de sobras de paletes até aquela sua escadinha cuja aquisição pareceu a pior ideia de todas.

É mais uma questão de criatividade e bom gosto do que propriamente uma dificuldade técnica.

Separar o material

Uma vez definido o local para a montagem do jardim, o passo seguinte é adquirir (ou confeccionar) as jardineiras. Aliás, convém aqui delimitar o objeto de que falamos: jardineiras nada mais são do que floreiras com um feitio mais decorativo.

Elas podem servir de base para a introdução de um vaso — a exemplo do que ocorre com os cachepôs — ou ser o próprio vaso. Tipo e tamanho são características sobre as quais exercemos absoluto controle, tamanha a oferta de modelos existente: cerâmica, plástico, concreto e por aí vai.

Para quem não deixa passar oportunidade de pôr a mão na massa, a variedade de materiais à disposição é igualmente generosa. Garrafas pet podem ser usadas, assim como qualquer outro recipiente que esteja dando sopa. Ou seja, jardineiras são bastante sustentáveis.

A única preocupação é com a adequação das floreiras ao layout da sua varanda. Procure materiais que possam contribuir positivamente para a decoração do ambiente, produzindo um efeito estético agradável e também ajudando a compor um espaço aconchegante.

Escolher as plantas

Voltemos à checklist: local, oquei; floreiras, idem. Falta tão somente escolher as plantas.

Novamente, leve em conta o fato de que seu jardim vai demandar cuidado. Vale, nesse caso, avaliar o quanto de tempo livre você terá para se dedicar à tarefa.

Caso sua rotina seja corrida a ponto de dificultar assumir compromissos como esse, ou se o trabalho o obriga a ficar longos períodos fora de casa, convém adquirir plantas mais resistentes: os cactos e as suculentas voltam à ordem do dia.

Se, entretanto, você dispuser de tempo para trabalhar a terra, regar as plantas regularmente, remover as folhas secas…. Enfim, praticar um pouco da boa e velha jardinagem, comece a pensar em variar o cultivo.

De todo modo, aqui vão algumas sugestões:

Para plantar à sombra

Samambaias são boas pedidas, assim como o popular peixinho de sombra (columeia), cujo cultivo não necessita de muito sol. Outras opções interessantes são o lírio da paz e o antúrio, que devem ser mantidos à sombra.

Para plantar debaixo de sol

Se o sol incide sobre a sua varada por, pelo menos, quatro horas por dia, já é possível colorir o ambiente. Gerânios, petúnias, onze horas, jasmins e begônias vão adorar viver ali. Como bônus, é provável que elas atraiam algumas borboletas ao seu jardim.

Preparar a jardineira

Não esqueça de providenciar alguns furos no fundo de sua jardineira (caso ela não possua) para drenar a água e evitar que as plantas apodreçam.

Preencha o fundo com uma camada de argila expandida ou brita. Em seguida, cubra-a com um pedaço de manta de bidim para impedir que a areia que virá a seguir escorra pelos furos.

Faça uma mistura com areia adubada e areia de rio (ajuda na drenagem) e barro vermelho (para manter a umidade). Por fim, inicie o plantio. Depois, é só integrar a jardineira na decoração e criar um ambiente festivo com plantas e flores. Então, mãos à obra!

Para fechar, não deixe de conferir este post com dez tipos de plantas ideais para deixar o apartamento florido. Assim, você já sabe o que aplicar em suas floreiras quando começar. Boa leitura!