Dicas Práticas

Tendências em decoração 2020: decoração sustentável

Faz pouquinho tempo, lançamos aqui no blog uma série de posts tratando de sustentabilidade no dia a dia (clique aqui para conhecê-la, vale a pena). Faltou, na ocasião, abordar a decoração sustentável.

Faltava, pois esse é o tema de nosso bate-papo de hoje. Nesse caso, deslocamos o assunto para esta série sobre tendências em decoração no ano de 2020. E uma coisa não poderia estar mais conforme com a outra, visto que a preocupação em ampliar o conceito de sustentabilidade para o local onde vivemos está na pauta do momento.

De fato, ainda que adotemos atitudes responsáveis em nossa relação com o que consumimos e em nossa rotina diária, a forma como nos relacionamos com nosso teto pode criar uma cisão nesse esforço.

Por isso, hoje conheceremos algumas formas de aplicar a sustentabilidade na decoração de nossos lares. Vamos apresentar algumas ideias simples e algumas mudanças de perspectiva que ajudarão a promover um diálogo entre suas atitudes no dia a dia e o seu estilo de morar. Confira.

Explore a iluminação natural

A luz natural não custa nada e oferece muitos benefícios. O principal deles é a economia de energia, ao dispensar o uso de lâmpadas nas horas do dia.

Por si, isso promove uma sensação de bem-estar, considerando que ambientes muito escuros costumam ser opressivos, claustrofóbicos. Ao contrário, a iluminação natural oferece conforto visual, reforça o organismo e dá, de bônus, uma impressão de amplitude que é especialmente bem-vinda em ambientes compactos.

Além do mais, a luz que vem de fora melhora a qualidade do ar que se respira e espanta o mofo. Portanto, em um eventual projeto de reforma, considere ampliar a oferta de aberturas e de esquemas de iluminação zenital (janelas, claraboias, poços de luz), além de reforçar a presença de vidros, películas e espelhos no caso de um simples ajuste cenográfico.

Use lâmpadas mais eficientes

Claro que há momentos em que não se pode prescindir de iluminação artificial. Durante o período noturno, por exemplo.

Entretanto, mesmo nessas horas é possível melhorar a qualidade da oferta luminosa, através da gradativa substituição das lâmpadas comuns por outras mais eficientes.

Entre os dispositivos em oferta no mercado a melhor opção recai sobre as lâmpadas de LED. A razão disso é que elas são muito mais duráveis que suas concorrentes, mais econômicas, o que significa que gastam menos energia, e não emitem calor — não há risco de alguém se queimar ao tocar em sua superfície.

Abra espaço para o verde

Outra medida diretamente relacionada com o incremento da iluminação natural e a consequente melhoria do ar que se respira é a promoção do verde entre quatro paredes.

Sendo assim, abuse dos vasos e plantas para ter um ambiente mais arejado e alegre. Embora nem todo mundo tenha “mão boa” para a tarefa, existem espécies de cultivo mais simples, como os cactus, e mais adaptadas ao ambiente indoor.

Porém, como medida sustentável adicional, convém dar primazia às espécies da fauna nativa, entre as quais podemos incluir as samambaias, as bromélias, palmeiras e suculentas, todas com forte apelo ornamental e autêntico pedigree nacional.

Em adição a esse reforço vegetal, prefira vasos de cerâmica, barro ou madeira. Embora possa ser tentador optar pelos similares leves derivados do plástico, estes são prejudiciais ao meio ambiente, enquanto que os primeiros, não.

Não compre por impulso

Um dos grandes dilemas que enfrentamos enquanto sociedade diz respeito à enorme quantidade de detritos que produzimos.

Trata-se de um comportamento estimulado por uma indústria que se especializou em criar falsas demandas. Nada mais é durável e nosso ímpeto pelo consumo não tem freio.

Se você pretende virar esse jogo em seu dia a dia, habitue-se a consumir com responsabilidade. Tem certeza de que o móvel que “acabou de conhecer” terá uso real em sua residência? Não será apenas mais uma tranqueira que, em menos de um ano, estará estacionada na beira da calçada, à espera do caminhão da coleta? Pense nisso.

Reforme, reutilize

Esta dica é derivada da anterior: que tal dar uma segunda chance ao mobiliário que já possui? Se olhar com mais carinho, você talvez perceba que o seu velho sofá pode ser reformado de uma forma bastante satisfatória.

Uma capa nova ou um “tapa” no estofamento pode ser a resposta. Assim como uma repintura em um armário gasto, uma repaginada na bancada da cozinha e por aí vai.

Além de econômico, o reaproveitamento é uma atitude sustentável, ao evitar que mais peças de mobília acabem no lixão.

Outra possibilidade é adquirir artigos de segunda mão em lojas de usados e antiquários. Existe muita coisa que se ajustaria bem em seu projeto, ainda mais se você tiver predileção por decoração sustentável de caráter rústico, descolado ou vintage.

Além do mais, veja se algum utensílio meio largado por aí não poderia ser melhor aproveitado em sua decoração. Quer uma ideia? Desempoeire aquela sua escada de jardim e transforme-a em um móvel bacana (veja como aqui).

Construa móveis com paletes

Falando em rusticidade, adeptos desse estilo talvez considerem oportuno levar o conceito a uma dimensão prática e fazer por conta própria alguns móveis, aproveitando-se de materiais sustentáveis, como a madeira de reflorestamento.

O que acha, por exemplo, de desenvolver algumas boas ideias decorativas a partir de paletes?

Trata-se daquele estrado de madeira usado no transporte de cargas e normalmente descartado após essa função. Com um pouco de criatividade e mão de obra, ele costuma render excelentes soluções. Pesquise na web e veja só o quanto de móveis incríveis se pode construir com esse aparente refugo.

Artigos similares, passíveis de integração eficiente à decoração sustentável, são os carretéis industriais de madeira e os caixotes de feira. E o princípio é o mesmo: basta lixar e pintar para habilitá-los a se transformar em peças de mobília tais como mesas e banquetas (no primeiro caso), nichos, armários, organizadores e afins (no segundo).

Como conselho final, lembre-se que a decoração sustentável tem como principal pilar a simplicidade. O conceito do “menos é mais” se ajusta com perfeição a esse estilo: não é necessário rebuscar, nem é preciso complicar. É tudo uma questão de economia, sensibilidade e preocupação com o amanhã. E o resultado? Funcional, prático e divertido (por que não?).

Essa foi a nossa dica de hoje. Tomara que ela tenha ressonância no seu modo de pensar. Pelo menos, que tenha atiçado a sua curiosidade sobre essa importante tendência de 2020. E já que o assunto é tendência, não vá antes de conferir este post sobre móveis multifuncionais. De uma forma ou de outra, a ideia se encaixa no conceito de sustentabilidade — e muito provavelmente no seu dia a dia. Então, não deixe ler!